Amazônia Digital


Profa. Dra. Lillian Alvares, Departamento de Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília

Amazônia Digital

A iniciativa do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior em disponibilizar parte da obra do Prof. Samuel Benchimol em formato digital é determinante no esforço de disseminação do conhecimento sobre a região que hospeda o maior rio do mundo, 300 milhões de hectares de floresta tropical chuvosa, 3 bilhões de espécies, um quinto da água doce disponível no planeta e habitat de 170.000 indígenas com 200 grupos étnicos falando 170 línguas diferenciadas, constituindo um inestimável acervo ambiental e cultural, chamada Amazônia.

Admirado por Gilberto Freire, reconhecido como intelectual superior e tratado como o mais amazonófilo dentre os brasileiros, ao mesmo tempo que era o mais objetivo, o mais científico, o mais idôneo, no seu conjunto de saberes sobre a Amazônia e o mais lucidamente didático, na irradiação dos seu conhecimento, Benchimol publicou densos estudos sobre a Amazônia que resultaram em 110 obras entre artigos e livros publicados a partir de 1942[1] e só encerrados com sua morte em 2002[2].

O Pesquisador e Professor Emérito da Universidade do Amazonas surpreende não apenas pela grandeza com que apresenta os temas relativos á Amazônia, mas também pela urgência com trata seus problemas ambientais e econômicos da região, destacando a criação de novas formas de energia limpa, nova agricultura valorizando mais a ação da luz e fotossíntese do que a fertilidade do solo, desenvolvimento da ciência e tecnologia para controle de clima e da genética, desenvolvimento de fertilizantes químicos e orgânicos inofensivos ou menos agressivos, esforço contínuo na educação, controle de natalidade, elevação dos padrões de saúde e a criação do Imposto Internacional Ambiental, pois nas suas palavras a Amazônia tem valor, mas não tem preço. Não tem preço, mas tem custo.

    Suas obras seminais são:

  • Amazônia: um pouco-antes e além-depois;
  • O pacto amazônico e a Amazônia brasileira;
  • Eretz Amazônia[3];
  • Amazônia: formação social e cultural;
  • Zênite ecológico e nadir econômico-social.

    as duas últimas foram disponibilizadas no Portal do MDIC[4]. Amazônia: um pouco-antes e além-depois[5] é a próxima publicação a ser reeditada e disponibilizada em formato digital.

    Ao escrever “Amazônia: formação social e cultural”[6], Samuel Benchimol traça um extraordinário estudo antropológico sobre a formação da sociedade amazônica. A publicação de 1999 foi reeditada em 2007 e     é tão atual quanto histórica. O prefácio escrito pelo então Secretário de Tecnologia Industrial do MDIC destaca:

“Ao conhecer os personagens e suas históricas matrizes etnoculturais, a publicação mostra ao leitor as oportunidades que se revelam á medida que a Amazônia é desvendada em seus recursos naturais, minerais, energéticos e no pólo industrial que conseguiu atrair empresas que juntas faturam U$S 16 bilhões anuais em média.... Ao encerrar, o volume explica que apesar de múltiplas forças e formas de modernização, a identidade cultural amazônica permanece viva. A ocupação humana, do encontro da cultura ameríndia autóctone com as culturas européias e africanas fizeram surgir a Amazônia Lusíndia,.

    Ao escrever “Zênite ecológico e nadir econômico-social”[7], o mais profícuo pensador dos problemas e da singularidade amazônica usa a metáfora geoastronômica para mostrar a situação do apogeu ecológico e     perigeu econômico da região. Denis Baú, Presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia, escreveu a apresentação da obra:

“O ponto central do texto é a tentativa de solução aos problemas econômico-sociais persistentes da região. O autor mostra com clareza que nenhum país e desenvolvido ou subdesenvolvido por acaso ou coincidência. Essa situação é produto de ações ou inações, segundo o autor, imemoriáveis, que os levaram a regressão, estagnação, pobreza, perpetuando condições seculares negativas geradas por suas próprias culturas ou valores. O nadir econômico-social é, portanto, resultado de fatores climáticos, metereológicos, elementos de ordem espiritual e religiosa, fator racial e de gênero, baixa produtividade das empresas, distância e isolamento, criações animais sem reconhecimento de qualidade, manejo florestal inadequado, uso indiscriminado do fogo, desmatamento, dificuldade em sair da pobreza, analfabetismo formal e informal e políticas inadequadas.”

    Cabe citar que dentre as homenagens que recebeu, seu nome designa o prédio principal da Universidade Estadual do Amazonas e batiza a Escola Estadual Samuel Benchimol. Após sua morte, o Ministério do     Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior criou o Prêmio Prof. Samuel Benchimol, cuja primeira edição aconteceu em 2003 e nunca foi interrompida, apoiando inúmeros projetos para o desenvolvimento     ambiental, econômico, social e tecnológico da Amazônia e que a partir de 2009 uniu-se ao Prêmio Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente.

    Era também destacada presença na comunidade a que pertencia e importante empresário. Foi presidente do Comitê Israelita do Amazonas, fundador do grupo Bemol/Fogás[8] junto com os irmãos e membro da     Academia Amazonense de Letras. Samuel Benchimol será lembrado pela causa que defendeu por toda a vida: “o desenvolvimento sustentável da Amazônia deve respeitar quatro parâmetros e paradigmas     fundamentais: ser economicamente viável, ecologicamente adequado, politicamente equilibrado e socialmente justo”.

Bibliografia

  • Roteiros da Amazônia. Caderno Acadêmico, Recife, ano II, n.3, 1942. 8p. (Pronunciada na Faculdade de Direito do Recife)
  • Versos dos verdes anos: poemas e haikais escritos no período de 1942-1945. Manaus. 9p. (Inédito)
  • Quarto centenário do descobrimento do Rio Amazonas: diário de uma viagem pelo Rio Solimões até Iquitos. Manaus, 1942. 50p. (Inédito)
  • O bacharel no Brasil: aspectos de sua influência em nossa história social e política. Manaus, Livraria Clássica, 1946. 33p.
  • O cearense na Amazônia: inquérito antropogeográfico sobre um tipo de Imigrante. Prêmio "José Boiteux" do X Congresso Brasileiro de Geografia (1944). 1ª Edição, Conselho Nacional de Imigração e Coloniza­ção, Im­prensa Nacional, Rio de Janeiro, 1946, 89p. 2ª Edição, SPVEA, Coleção Araújo Lima, Rio de Janeiro, 1965, 87p. 3ª Edição, Imprensa Oficial, Manaus, 1992, 304p.
  • O aproveitamento das terras incultas e a fixação do homem ao solo. Boletim Geográfico, Rio de Janeiro, Conselho Na­cional de Geografia, Ano IV, n° 42, Rio de Janeiro, 1946, 38p.
  • The next war. Miami University, 1946, 11p. (Resumo da monografia de pós-graduação)
  • Capitalism, the creator. Miami University, l947, 5p. (Resumo da monografia de pós-graduação)
  • History of economic throught: an outline. Miami University, l947, 17p. (Resumo da monografia de pós-graduação)
  • Industrialization and foreign trade in Brazil. Miami University, l947, 11p. (Resumo da monografia de pós-graduação)
  • Manaus: The growth of a city in the Amazon Valley. Miami University, Oxford, Ohio, USA, 1947, 165p. (Dissertação de mestrado em Economia e Sociologia)
  • Sociology in Brazil and in the U.S.: a Comparative Study. Sociology and Social Research, Los Angeles, vol. 32, n.2, 1947, 27p.
  • Diário de um estudante da Miami University e de um viajante pelos Estados Unidos (1946/7), 174p. (Inédito)
  • Ciclos de negócios e estabilidade econômica: contribuição ao estudo da conjuntura. Manaus, 1954, 152p. (Tese de Douto­rado)
  • Planejamento do crédito para a valorização da Amazônia: situação histórica e atual do crédito no Amazonas, política de crédito necessária á mobilização, e medidas complementares e colaterais. Relatório apresentado pela Sub-Comissão de Crédito e Comércio, da Comissão Coordenadora dos Subsídios do Estado do Amazonas para o Plano Qüinqüenal da Valorização da Amazônia, da qual foi Presidente e Relator. Manaus, 1954, 25p.
  • Relação entre a economia e o direito. Revista da Faculdade de Direito do Amazonas, Manaus, n.3, 1955.
  • Inflação e desenvolvimento econômico. Revista do Serviço Público, Manaus, vol. 73, Rio de Janeiro, 1956, 24p.
  • Problemas de desenvolvimento econômico: com especial referência ao caso amazônico. Manaus: Sérgio Car­doso, 1957. 83p.
  • O Banco do Brasil na economia do Amazonas. Edição SPVEA, Coleção Araújo Lima, Rio de Janeiro, 1958, 16p.
  • Investimento e poupança: inquérito sobre a pobreza das nações. Revista da Faculdade de Direito do Ama­zonas, Manaus, n.7, 1960.
  • Pólos de Crescimento da Economia Amazônica: Aspectos Espaciais, Temporais e Institucionais. In Cadernos CODEAMA, n° 2, Manaus, 1965, 42p.
  • Pólos de crescimento e desenvolvimento econômico. Editora Sérgio Cardoso, Manaus, 1965, 42p.

  • Estrutura geo-social e econômica da Amazônia
    . Dois volumes, edições do Governo do Estado do Amazonas, Série "Euclides da Cunha", Editora Sérgio Cardoso, Manaus, 1966, 1o vol. 186p; 2o vol. 500p.

  • Projeto ETA-54 da heveicultura do pós-guerra
    . Brasília, Congresso Nacional, 1970. Depoimento prestado á Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI-49/67) da Câmara dos Deputados. Diário do Congresso Nacio­nal, Suplemento (Resolução n° 114, de 01/maio/1970), 7p.
  • Política e estratégia na grande Amazônia brasileira. Edições Faculdade de Direito do Amazonas, 1968, 16p.
  • Variáveis e opções estratégicas para o desafio amazônico. Manaus, 1969. Conferência proferida a bordo do Navio "Lauro Sodré" aos alunos da Escola Naval de Guerra.
  • A planetarização da Amazônia. Jornal "A Notícia", Manaus, 1972.
  • Amazônia: mensagem a um desafio. Congresso das Classes Produtoras (Conclap), Rio de Janeiro. Revista da As­so­ciação Comercial do Amazonas, 1972.
  • Polarização e integração: dois processos no desenvolvimento regional. Manaus, 1972. Conferência proferida aos estagiários da Escola Superior de Guerra, na sede do Comando Militar da Amazônia.
  • A pecuniarização da Amazônia: a ameaça e o desafio do mega-boi no processo de ocupação da Amazônia. Jornal "A Crítica", Manaus, 11/08/1974, e Jornal "Estado de São Paulo" de 08/09/1974. Conferência proferida na Comissão de Valorização da Amazônia, da Câmara dos Deputados.
  • Amazônia: um pouco-antes e além-depois. Manaus: Umberto Calderaro / Universidade do Amazonas / Codeama, 1977. 840p.
  • Projeto geopolítico brasileiro de libertação e desenvolvimento: a formação e reorganização do espaço po­lítico. Edição especial do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Manaus, 1977, 197p.
  • Política fiscal. Edição Universidade do Amazonas, Faculdade de Estudos Sociais, Departamento de Direito Público, Manaus, 1978, 438p.
  • O pacto amazônico e a Amazônia brasileira. Manaus: Universidade do Amazonas, Faculdade de Estudos Soci­ais, 1978. 43p.
  • Petróleo na selva do juruá: o rio dos índios macacos. Edição Universidade do Amazonas, Manaus, ju­nho/1979, 342p.
  • A duodécada 80/90: reflexões e cenários amazônicos. Universidade do Amazonas, Manaus, 1979, 103p.
  • Uma oikopolítica para a Amazônia. Simpósio Nacional da Amazônia, Câmara dos Deputados, 1979, 106p.
  • Metodologia e diretrizes para um plano de desenvolvimento regional. Palestra realizada no Comando Militar da Amazônia, Manaus, 24/abril/1980, 3p.
  • O desenvolvimento do médio e baixo Amazonas: uma prioridade regional. Palestra na 3ª Convenção Amazônica do Comércio Lojista, Santarém-Pa, junho/1980, 7p.
  • O curumim na Amazônia. Conferência pronunciada na instalação do Curso Nestlé de Atualização em Pe­dia­tria, realizada no Teatro Amazonas, Manaus, agosto/ 1980, 12p.
  • Tendências, perspectivas e mudanças na economia e na sociedade Amazônica. Manaus, 1980, 26p.
  • Amazônia: andanças e mudanças. Cuiabá, Universidade Federal de Mato Grosso, 1981, 78p.
  • Amazônia legal na década 70/80: expansão e concentração demográfica. Edição Universidade do Ama­zonas, julho/1981, 167p.
  • A floresta tropical úmida: aspectos ecológicos. Seminário de Tropicologia da Fundação Joaquim Nabuco, Recife-Pe, 29/setembro/1981, 10p.
  • A questão amazônica. Encontro Inter-Regional de Cientistas Sociais do Brasil, Manaus, 1981.
  • Population changes in the brazilian Amazon. In The Frontier after a decade of colonization. Manchester Uni­versity Press, 1985, 14p.
  • Introdução ás cartas do primeiro governador da Capitania de São José do Rio Negro: Joaquim de Melo e Povoas. Manaus, Universidade do Amazonas, 1983, 30p.
  • Introdução aos autos da devassa dos índios Mura (1738). 45th Congresso Internacional de Americanistas, Bogotá, 1985. Edição xerox, Manaus, 1985. Publicado nos Anais de la etnohistoria del Amazo­nas, Universidad de los Andes, Bogotá, 1985. Tradução em espanhol editada por Beatriz Angel e Ro­berto Ca­macho in Los meandros de la Historia en Amazonia. Quito, Abya-Yala, 1990, 50p.
  • Cobras e buiuçus na Praça dos Remédios. Manaus, 1985, 20p.
  • Grupos culturais na formação da Amazônia brasileira e tropical. Apresentado ao II Encontro Regional de Tropicologia da Fundação Joaquim Nabuco, Manaus, 1985, 31p.
  • Política florestal para a Amazônia brasileira: projeto no congresso. Jornal "A Crítica", 09/fev/1985, 8p.
  • O "encantamento" de Gilberto Freyre. Ciência e Trópico, Recife, v. 15, n° 2, jul/dez 1987. in Caderno de Cultura, Brasília, ano 2, dez/1988, 4p.
  • Amazônia fiscal: uma análise da arrecadação tributária e seus efeitos sobre o desenvolvimento regional. Edição Instituto Superior de Estudos da Amazônia — ISEA, Manaus, 1988, 179p.
  • Extrativismo, agricultura e indústria na Amazônia: seringa, roça e fábrica, um trilema? in Seminário de Jor­na­lismo Econômico da Amazônia, Manaus, 1988.
  • Manual de introdução á Amazônia: programa, bibliografia selecionada, notas, mapas, quadros, material de lei­tura para análise, crítica e reflexões. Manaus, 1988, 226p.
  • The Free Trade Zone of Manaus: assessment and proposals. 46th International Con­gress of Americanists, Amsterdam, Holland, 1988.
  • Zona Franca de Manaus: a conquista da maioridade. The Manaus Free Trade Zone: Coming of Age. Edi­ção bilingüe português/inglês Suframa/Sver & Boccato, São Paulo,